Poemas e Crônicas Musicais

 

Como amante da poesia e da música, esta última é um tema que não poderia faltar em meus textos. Boa leitura!

 

Crônicas: O Que a Música Significa Para Mim?

Poemas: Harmonia, Canto do Poeta, Descanso ao Anoitecer, Cantando a Poesia.

 

 

O Que a Música Significa Para Mim?

 

 

Esta é uma pergunta interessante e eu que sou daquele tipo "chaticamente" correto, fui logo consultar o pai-dos-burros, que na minha opinião deveria se chamar pai-dos-inteligentes, afinal burro é quem não o consulta e acaba escrevendo errado. Pois bem, o Dr. Celso Pedro Luft escreveu o seguinte:

 

"música s.f. 1. Arte de combinar tonalidades e sons de maneira agradável ao ouvido. 2. Composição musical. 3. O modo de executar uma peça musical por meio de instrumento ou voz. 4. Papéis ou livros em que se acha escrita ou impressa uma composição musical."

 

É, ele está certo, não vamos discutir, mas muito lingüístico para o meu gosto. Eu não conseguiria definir música em palavras, acho que é algo para ser definido... com música! Não cabe em palavras, imagens, gestos, só cabe no sentimento, no coração, na lembrança e na emoção.

 

A música é uma força diferente, que te toca sem pedir permissão, que te alcança e fala o que tem a dizer sem poder ser calada. Entra na  tua alma sem pedir licença e resolve, sem a menor cerimônia, ficar morando no teu coração. Parece que a música é uma moça mal-educada, mas ninguém tem coragem de lhe dizer um "a", pois antes de tentarmos ela nos conquista com seus dós, rés, mis...

 

Às vezes eu não sei se nós dominamos a música ou se é ela quem nos domina. Nós fazemos música, mas não conseguimos viver sem ela. Até outras artes, como a plástica, acaba encontrando corações de ferro e as cênicas, acham verdadeiros atores da arte de desprezá-las, mas a música supera todos eles e marca, gruda, fica, toca.

 

Seja a música da formatura, do casamento, do dia em que conheceu sua namorada, a que aquele cara que você nunca tinha visto e nem vai ver mais cantava, quando você cruzou ele na rua ou qualquer outra ocasião, quando você menos percebe está cantarolando ou assobiando uma melodia.

 

A música te leva a lugares que você nunca viu, te faz sentir exatamente o que ela quer que você sinta: dor, amor, reflexão, alegria. Te faz formar imagens belas, confusas, alucinantes, a seu bel prazer. É algo divino embora haja algumas que sejam infernais.

 

E como se não bastasse, consegue contentar todos os gostos, pois gosto não se discute e se alguém não gostar de umas ou outras músicas, num ponto todos concordam, a música é maravilhosa e sabemos que não é tudo, mas consegue ser, a expressão de tudo !

 

 

        Filippo Valiante Filho

        06 de Dezembro de 1998

 

 

            HARMONIA

 

 

            Canto de pássaros

            No verde da mata

            Suave aroma

            De terra molhada

           

            Dedos que pressionam

            As teclas de um piano

            Produzem sentimentos

            Trazem encanto

 

            Música da natureza

            Música da cidade

            Nos trazem lembranças

            Em qualquer idade

 

            Como as teclas de um piano

            Nossos Sentimentos são tocados

            Pelos pássaros cantando

            Os sons da natureza nos são apresentados

 

            Nas cordas ou nas matas

            Uma bela harmonia

            Seja pelo homem ou natureza

            Sempre linda melodia

 

 

                                    Filippo Valiante Filho

                                    Abril de 1996

 

 

            Canto do Poeta

 

 

            Vou poetando, cantando

            Dando asas a imaginação,

            a beleza da vida,

            a alegria de ser bem vivida.

 

            Alegria que emana

            Nas letras de uma canção

            Alegria que emana

            Nos versos de uma poesia.

 

            Afinal

            A linda vida merece

            A beleza de uma poesia

 

            A vida é a mais linda

            Mas carece

            Da beleza de uma poesia          

           

           

                                   Filippo Valiante Filho

                                   16 de Novembro de 1997

 

 

            Descanso ao Anoitecer

 

 

            Sinfonia de pássaros, grilos

            Acamados aos acordes da aurora

            Incensos, perfumes finos

            Emanam das seivas da flora

 

            O sussurrar das folhagens nas matas

            Atendem ao cochichar do vento

            O burburinho das águas peraltas

            Apostam corrida pelo rio leito

 

            A lua dá luz as estrelas

            A noite dá luz ao calar

            E a última música é feita

            Para o tempo de descansar

 

 

                                   Filippo Valiante Filho

                                   14 de dezembro de 1997

 

 

            Cantando a Poesia

 

 

            Quero cantar a minha poesia

            Fazer soar a minha melodia

            De coração pra coração

            Que se derramam numa canção

 

            Que nasce ao toque de um piano

            Singela harmonia se formando

            Para à alma chegar com cortesia

            E nos sonhos viajar a fantasia

 

            Voando entre luzes multicores

            Porta-voz de seus amores

            Vão os versos mais singelos

            Despertando ocultos anelos

 

            Para sonhos eternos inspirar

            E a poesia nunca acabar

            Os corações vão continuando

            Com a poesia se transformando

 

 

                                    Filippo Valiante Filho

                                    26 de Janeiro de 1999