Queria Ser Poeta

 

 

            Eu queria ser poeta

            Ah! Como queria ser poeta

            Para sonhar como uma criança

            E cantarolar à toa como passarinho

            Conhecer o fundo do mar como peixe

            E a superfície como épico capitão

            Ouvir os sete mares numa concha

            Ter inspiração nas estrelas

            Ver na lua a fonte da paixão

            Possuir a inocência de um menino

            Ao mesmo tempo da malícia, de um homem bem vivido

 

            Eu queria ser poeta

            Somente para poder ver

            Um joão-de-barro atrás de cada vaso de artesão

            Uma graciosa borboleta voando atrás de cada flor

            Um imenso cafezal florido atrás de uma xicrinha

            Os rios, lagos e oceanos atrás das nuvens de chover

            O sonho do homem poder voar atrás de cada avião que decola

            Um céu de algodão doce por entre as nuvens cândidas

            Todo mundo passando, no rabo do cometa

            Na praia a mulher que se banha em cada onda a arrebentar

            Uma arca de Noé atrás de cada arco-íris

            Uma volta ao mundo atrás de cada balão

            Um coração atrás de cada olhar

            Um sorriso de criança mesmo em meio a tragédia

            No fundo do poço os desejos

            No lodo o meio da cura

            No patinho mais feio o cisne mais lindo

            Naquele míssil de mil megatons, bombons

            Nas águas o perfume das flores que farão brotar

            Em cada eclipse o sol beijar a lua

            No beijo o amor

            No abraço a amizade

            No bem-me-quer apenas pétalas ímpares

            Na gota de mel a colméia e suas abelhas trabalhadeiras

            O menor detalhe, o mais vivo e delicado, onde pouse meu pensar

 

            Eu queria ser poeta

            Ah! Como eu queria ser

            Somente para em mim bater

            O coração de um poeta

 

            E nesse coração haveria...

 

            ...Apenas poesia...

 

 

                                                            Filippo Valiante Filho

                                                            12 de novembro a 9 de dezembro de 2001

                                                            Revisada em 27 de novembro de 2002